Reserva de Emergência é o nome para aquele “pezinho de meia” para usar em caso de um contratempo. É diferente de ter um investimento para aposentadoria, por exemplo. A Reserva de Emergência é um valor que você guarda para um imprevisto, podendo usar a qualquer momento. Respondemos as dúvidas mais frequentes sobre o assunto logo abaixo!

O que é uma Reserva de Emergência?

Reserva de Emergência é um valor que você guarda para usar quando acontece um imprevisto. A quantia a ser guardada fica a seu critério, pois não pode atrapalhar seu orçamento e contas habituais. Esse dinheiro é importante para que em caso de urgência, você não precise pedir emprestado e pague juros altos. Na maioria das vezes, empréstimos rápidos podem ter taxas de juros maiores do que o normal. Outra saída nesses casos é usar o Cartão de Crédito, porém cobrir emergências assim também pode ser prejudicial à sua saúde financeira.

Para quem está buscando estabilidade financeira, é melhor evitar gastos excessivos e de última hora. O interessante é você evitar os juros altíssimos quando estiver correndo com outras urgências. Portanto, essa reserva não é focado em rentabilidade, e sim focado em te poupar com gastos excessivos. Você não precisa ter muito dinheiro guardado, a quantidade vai de acordo com as suas necessidades.

reserva de emergência

Para que serve uma Reserva de Emergência?

Sabe aquele imprevisto com remédios, uma viagem de última hora ou até uma demissão na família? Tudo isso pode te levar ao cheque especial, crédito rotativo ou empréstimo pessoal urgente. A maioria dos brasileiros utilizam quase 100% do salário, no momento em que o imprevisto acontece recorrem ao crédito mais rápido. Apesar de ninguém querer passar aperto, esse “pezinho de meia” pode te livrar de pagar juros altíssimos. Imagine que você não costuma ter uma gordura no salário, quando tem um gasto fora do comum, acaba ficando no vermelho.

Quando uma urgência acontece, dependendo dos casos, se você tiver um bom dinheiro pode pagar a vista uma viagem, por exemplo. Além disso, é uma segurança, pois você nunca sabe onde pode recorrer quando está sem dinheiro e precisa cobrir gastos de última hora. Outro ponto é você não ficar com uma dívida gigante por um longo tempo. Imagine que você precise cobrir gastos de remédio no fim do mês, está sem reserva de emergência e recorre ao cheque especial. Além de assumir juros altíssimos, após essa compra você ainda estará no vermelho caso precise de mais dinheiro.

Quem deve fazer?

É importante que todas as pessoas possam ter um dinheiro guardado para eventualidades. Quem tem filhos, por exemplo, sabe que vez ou outra há gastos com remédios que não estavam no orçamento. São gastos que não podem esperar, muito menos devem comprometer seu orçamento por meses ou anos.

Claro que nem sempre a sua reserva vai ser suficiente, dependendo do caso. Ainda que você precise de mais dinheiro do que tem guardado, o rombo no orçamento será menor do que se não tivesse guardado. Nas últimas crises financeiras do Brasil, por exemplo, milhares de famílias tiveram seus líderes desempregados de uma hora para outra. Nesses casos, muitas conseguiram segurar as contas por um tempo com suas economias.

Algumas famílias abriram negócios pequenos, outras pessoas começaram a trabalhar com transporte ou entregas. Enfim, gastos iniciais dessas novas vidas também podem ser pagos com as reservas de emergência.

Quando usar a minha Reserva de Emergência?

Listamos aqui os principais usos de uma Reserva de Emergência:

  • Gastos com saúde, como remédios, exames, consultas, internações e cirurgias;
  • Começar um novo negócio, caso você seja despedido da empresa;
  • Fazer uma viagem de emergência;
  • Ajudar um parente que ficou desempregado;
  • Cobrir gastos necessários e básicos da sua casa de 3 a 6 meses.

Onde guardar a Reserva de Emergência?

A maioria das pessoas guarda esse montante na poupança, justamente pela facilidade de usar o dinheiro no momento necessário. O importante é que seja seguro, que você possa resgatar a qualquer momento e que não se misture com o restante do seu dinheiro. Imagine que você guardou sua reserva em determinado investimento oferecido pelo banco, porém pode resgatar apenas dentro de 10 anos. O rendimento pode ser muito interessante, contudo se você precisar do dinheiro em menos tempo, vai acabar perdendo dinheiro.

Guardar em casa esse dinheiro pode não ser uma boa escolha. Pensando na segurança, no uso para gastos rotineiros ou em perda, é melhor evitar. Claro que é interessante que você tenha certa quantia em casa, mas nada de deixar todo seu dinheiro fora do banco, hein?

 

Ficou com alguma dúvida? Nós estamos aqui para esclarecer tudo sobre finanças, dinheiro e crédito.

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *